Amor é cego e pensa que ninguém o vê. ( Provérbio dinamarquês)

.

.

.

.

.